Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Como modificar a firmware do Cybergame.
por CapitãoFoxy Ter Jan 05, 2016 9:40 pm

» Emulador de GBA para Ps2
por Ryuuzaki Kazama Seg Maio 11, 2015 2:01 pm

» MD Play rodando Super street fighter 2
por Ryuuzaki Kazama Seg Abr 20, 2015 6:43 pm

» Jogos que não funciona no emulador Master system
por Ryuuzaki Kazama Sab Fev 21, 2015 11:27 am

» Emulador de Atari 2600 para Cybergame feito por TripleOxygen
por zerumo Qua Nov 05, 2014 3:43 pm

» Crie seu proprio Havest Moon!!
por larilu_cg Qua Jul 09, 2014 10:35 pm

» pc não reconhece cybergame pela usb
por zerumo Seg Jun 30, 2014 5:13 am

» Master System!!!!
por GioMaruchi Seg Jun 02, 2014 6:57 am

» Indicação de jogos antigos
por zerumo Sab Maio 10, 2014 11:23 pm

Os membros mais ativos do mês


Os 10 melhores jogos do NES.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os 10 melhores jogos do NES.

Mensagem por Starrier em Seg Nov 14, 2011 8:44 pm

Fonte: http://minicastle.org/2009/09/07/os-10-melhores-games-do-nes-os-10-melhores-jogos-do-nes-os-dez-bam-bam-bam-do-nes/




10 – Kid Icarus



Pit é um coitado. Quando Palutena, a deusa da Luz do mítico e inspirado universo semi-quasi-grego, o chama para o serviço ela põe esse querubim de bunda redonda e flechas de coração num labirinto que faria Simon Belmont de Castlevania chamar pela mãe e Batman pedir clemência. Mas o pequeno Pit foi lá, venceu o labirinto (conquistando itens, que detravavam novas áreas, pedaço por pedaço, como em Metroid), conquistou suas asas, ficou mais velho e voou até o lar da Medusa, a deusa da escuridão, enfrentando de aliénigenas a faunos, e chutou a bunda da desgraçada.


Sério… o que pode ser mais legal que isso?


Sim, Pit não tem a envergadura de Samus, ou estilo de Ryu Hayabusa, mas ele tem esperança e um bom coração – apoiados por uma trilha sonora igualmente feliz, gráficos que envelheceram como um bom vinho e controles animais. Tudo isso servido como uma dificuldade requintada, digna dos grandes clássico, que o desafia mais e mais, batendo na sua cara e chamando-o de mulherzinha! Encare a dificuldade e a busca de itens incessante em um jogo sem mapa e vença… se for realmente bom!





9 – Batman


Batman?! Batman?! Esse jogo não era um clássico! Era sim!!! Quando estávamos nos recuperando de um filme que, para os padrões de 89, chutou nossa bunda e chupou o tutano de nossos ossos, um jogo ainda mais animal veio em seu encalço. Usando uma mecânica de plataforma, mas anexando um sistema de combate interessante, chefes inovadores, fases com o batmóvel e o batplano, som com midis inesquecíveis, controles perfeitos, gráficos sensacionais e um clima totalmente dark e Tim-Burton-esque, Batman do NES trazia aos gamers a chance de finalmente ser o cavaleiro das trevas e descer o braço (ou os batrangs, ou as bombas, ou os mísseis do carro) no que quer que te olhasse torto ou estivesse no meio do caminho! Ah! Como é doce a cartase!


O jogo que criou o gênero de jogos de super heroís e fincou as bases do que era um bom game para os tempos que viriam, Batman do NES era um obra prima





8 – Earthbound 0 / Mother 1


Um RPG tão original, mas tão original, que continuava original em sua continuação, o único game da Série Mother a chegar aos EUA, Mother 2/Earthbound, que varreu o chão com a bunda dos jogadores com seu sistema de combate animal e seu último chefão que era… bem… é difícil explicar (e não assista os vídeos no youtube) VÁ JOGAR! Mother/Eartbound 0 trazia um sistema de save original (você ligava para sua mãe), um sistema de dinheiro original (nada de loot com os monstros, seu pai te mandava uma semanada), um sistema de combate original (foi aqui que nasceu o “Dynamic Attack Combat” – aquele, hoje, manchado sistema de barrinhas dos personagens que vão enchendo e você ataca quando estiverem cheias) e centenas de personagens encantadores, profundos e charmosos, que deram a esse game uma extensa quantidade de fãs clubes – É BOM DEMAIS. Com gráficos que chutavam a bunda na época do NES (e ficarão ainda mais legais na adaptação para GBA – que é como eu consegui jogar a primeira vez e que vocês vão achar mais fácil – além de vir junto com Earthbound/Mother 2), som animal e controle simples, mas funcional, Earthbound traz a fina flor do RPG de NES para você e não te deixa parar até terminá-lo. Super mega recomendado.






7 – Ninja Gaiden


Está lista está cheia de games difíceis e este game está aqui para separar os homens dos garotos. Ryu Hayabusa era um HOMEM. Mais do que isso ele era um NINJA – com todas as letras maiúsculas. Ele não se batia nos inimigos; ele os picotava com sua espada e utilizava dezenas de tipos de magias e shurikens para lavar o chão com o sangue grotesco deles. A dificuldade era intensa, sim, mas ele batia em você por que te amava. E você sabia disso. E voltava por mais. Com gráficos que são sensacionais até hoje, controles no talo, som animal e uma dificuldade perfeitamente tunada para criar o vício avassalador, somos obrigados a dar o braço a torcer e colocar o imperdível Ryu na lista.





6 – River City Ramson


Beat´en Up eram uma febre degenerada nos arcades e videogames dos anos 80 e 90 e a maior parte deles desapareceu sem deixar vestígios – afinal quase todos eles tinham um defeito comum: Você não sentia que fazia diferença no mundo! Você descia o braço em legiões de clones que davam um grito idêntico e morriam… mas não em River City Ramson, não… em RCR você se sentia macho. Você era o cara! Você ia a sauna, saia dela, sentava o braço em 40 carinhas, comprava alguns bombons, sentava o braço em mais 20 deles. Mas eles não apenas morriam, não senhor… eles pediam misericórdia, gritavam pela mamãe e, nos casos mais gloriosos, soltavam o famoso “Barf!”. Nada no mundo pode ser mais gratificante que espancar sem remorso legiões de inimigos. Com gráficos perfeitos (eles envelheceram bem pra caralho), som animal e controle perfeito, o vovô bombado de GTA tem que estar em sua coleção, não importa o tamanho dela.





5 – Contra


Se Ninja Gaiden separava os garotos dos homens, esse jogo fazia os homens chorarem… DE PURO ÓDIO. Esse jogo não é só difícil… ele é genocidamente difícil. Calamitosamente difícil. Perversamente difícil. Chutulumente difícil. Os controles são perfeitos, o som é animal e o gráfico era muito muito legal para a época (hoje está dando sinais de cansaço… mas nada temam pois Contra Revival, um remake deste aqui, saiu hoje, dia 7 de Setembro de 2009 no Wii Ware, o review tá aí embaixo) mas esse jogo fará você sentir na pele o que é o inferno. Mas vencê-lo… chutar a bunda dele… e vencer o império Zoda nunca foi tão satisfatório. Somente para masoquistas… e veteranos!





4 – Mega Man II



Tivemos um problema aqui no Mini para decidir qual Mega Man era melhor: o 2 ou o 3. Mas após uma cuidadosa, cientifica e longa pesquisa (eu o Mahou jogamos os dois de novo, ah… perguntamos para Mindy também) chegamos a conclusão que Mega Man II, o difícil, o exigente, o inestimável, o inconquistável, o insubstituível, AINDA é o melhor Mega Man DE TODOS OS TEMPOS. Por que? Gráficos excelentes, som muito bom (caralho, as midis dele ganharam um CD e uma versão orquestrada no Japão – como se discute com esse nível de qualidade) e controle no talo trazem para você um jogo apavorante de difícil, que realmente pega os homens chorosos de jogar contra, dá-lhes um sopapo bem dado e diz: Você é um homem ou um rato? Agora levanta daí e vai lutar com o Willy! Se você quer realmente saber como era jogar videogame antes de tiro carregável, pulo duplo, escorregão, Bommer Kowanger (o que diabos é um Bommer Kowanger.. eu quero robôs caralho…. com nomes legais) e outras firulas… ataque Mega Man 2.





3 – Metroid


Sim… esse game ficou conhecido pelo fato de ter uma heroína, mas todo mundo ficou tão chocado ao ver uma mulher em roupa de ginasta no final que se esqueceu de quanto esse game é enorme e fantástico. Carregado de Power ups, melhorias, modificações, reentrâncias e salas secretas, Metroid era tão gigantesco que exigia um senso de direção que a maior parte de nós ainda não tinha criado. Por ser o game que criou um gênero, por criar em nós o prazer de finalmente atingir uma área após conseguir um item novo ou simplesmente por que tinha um password que permitia que se jogasse com a Samus apenas de bikini (com o famoso “Justin Baileys” – Just in Baileys) Metroid criou um legado que vai sobreviver por todo o tempo. Uma curiosidade: A Nintendo pretendia colocar um sistema de bateria, que permitiria o salvamento de dados, no cartucho de Metroid, mas como as vendas iniciais no Japão, onde ele foi vendido no Disk Drive, foram abaixo da expectativa, a empresa preferiu segurar a cara tecnologia de salvamento e colocá-la em….





2 – The Legend of Zelda


Zelda vale seu peso em ouro. Inspirado pela infância de Myiamoto (que considerando quantos bichos atacam Link e quantos monstros mitológicos se colocam em seu caminho deve ter sido muito animada) e suas andanças as voltas de sua casa, onde havia um bosque com algumas cavernas, que ele explorou com a ajuda de uma lamparina, The Legend of Zelda foi GTA antes de GTA ser um mero pensamento, só que sem toda aquela coisa de assassinato, prostitutas e carros. Além de ter gráficos fantásticos e um som que inspirou gerações, Zelda era ENORME, IMENSO E COLOSSAL, e ampliou nos jogadores a necessidade de exploração criada por Metroid, com a vantagem de ter um save Pack que permitia salvar o game em qualquer ponto (Só tinha que se ter o cuidado de segurar RESET apertado no momento de desligar o console ou podia-se perder tudo que havia sido salvo. Vocês não fazem idéia de quantas vezes eu desliguei sem apertar RESET e fiquei rezando para não ter perdido tudo.). Zelda vendeu tão bem que, em seu relançamento no ocidente, e seu lançamento em cartucho no Japão, ele saiu na famosa edição dourada – só menos famoso e menos vendido que….





1 – Super Mario 3


Como se alguém tivesse se surpreendido com Super Mario 3 como melhor jogo do NES. O problema é que o desgraçado REALMENTE é o melhor jogo que a plataforma de 8 bits da Nintendo teve. Tão bom, que nos fez assistir 1 hora e meia de um filme que tinha o mesmo carisma de um bebedor de piche só para ver 5 minutos de tela mostrando o game… Alguns dos melhores gráficos mostrados no NES, com uma direção de arte tão boa que os gráficos continuam bonitos e atuais, mesmo depois do monstruosamente lindo e bem sucedido Super Mario World; tudo isso sem falar em som perfeito, com músicas que grudam no seu pavilhão auricular e ficam batendo e batendo e batendo e um controle simplesmente animal, com direito a voar e um zilhão de outras coisitas. Aliás… falando em zilhão… era mais ou menos esse o número de segredos no game: de flautas a warps, de Power ups ocultos a passagens para o plano de fundo, Super Mario 3 era divertido demais. Mas não fique apenas com nossas palavras… vá ao seu Wii e compre o game no virtual console (ou pegue a versão dele de GBA e jogue no seu DS/GBA/Micro), sente seu adorável traseiro em algo macio e prepare-se para mergulhar num dos melhores game do mundo.

_/ _/ _/ _/ _/ _/ _/ _/ _/ _/
Dynavision Cybergame
avatar
Starrier

Administrador/Fundador
Administrador/Fundador

Mensagens : 56
Data de inscrição : 12/11/2011
Idade : 21

http://portalcybergame.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum